[5e] Morto-vivo no nível 1? Sim!

Imagem por Irina Nordsol Kuzmina.

Alguns anos atrás, lendo sobre o polêmico tema “praticar necromancia é um ato vil?”, me deparei com esse relato, em inglês, que conta a história de um internauta que estava jogando RPG via Fórum. Ele interpretava um necromante que usava suas magias de necromancia para fazer morto-vivos que, ao invés de serem usados para realizar planos maquiavélicos, ele os usava para ajudar as pessoas e melhorar a sociedade. Ele ensinou a prática para muita gente, e com isso desmantelou tiranias e salvou civilizações. No fim de sua vida, ele usou magias para visualizar os locais que ele tinha ajudado. Para sua supresa, tudo havia voltado ao que era. Tiranos estavam de volta, homens fazia trabalho duro. Aventureiros, “heróis”, eles se chamavam, mataram a maioria dos necromantes que ele havia ensinado. O personagem do autor deste relato ficou conhecido como “Arquilich”.

No leito de sua morte, um grupo o encontrou, esperando um maléfico e sinistro vilão. Ao invés disso, encontraram um homem velho e desolado por ter tido o trabalho de sua vida destruído por paranóia e preconceito. O que houve foi que o mestre que estava narrando para este internauta usou seu personagem como um BBEG (Big Bad Evil Guy, ou simplesmente, um arquivilão) em uma outra campanha sua.

Eu fiquei arrepiado ao ler o relato, tanto pelo jogador, que interpretou um personagem único e épico, quanto pelo mestre que fez esse “cross-over”, ou seja, usou um personagem de uma campanha como vilão de outra. Fiquei com vontade de jogar de necromante, e criei o neto deste lendário necromante. Porém o fato de saber que eu só poderia ter mortos-vivos apenas no nível 5 me incomodava, então criei um ritual para permitir uma versão fraca de um morot-vivo para o nível 1. Não é a versão que está disponível para download ao fim do post, mas foi usada como base para fazer aquela.

Era um ritual que permite a criação de servos mortos-vivos, estilo um zumbi, mas muito fraco em combate, porém aceitável socialmente. É uma ótima oportunidade para aqueles que querem muito jogar de necromante mas não gostam da ideia de ter que esperar até o nível 5 para ter seu primeiro “pet”.

Relato original:

O que me leva ao Will. Em seu cenário existe uma região chamada Karvox. Um local deserto, asolado por raios de fogo, criaturas perversas, onde pessoas determinadas a fazer dali um lar se instalaram. Os karvoxianos são grandes usuários da necromancia, porém não se encaixam no cliché de necromante: eles usam a necromancia para criar servos, trabalhadores braçais, artesãos, para ajudar a manter a sociedade funcionando.

Estamos trabalhando em adaptar esta região para as regras da 5e, ainda tem chão pela frente, mas abaixo você pode ter um pequeno spoiler do que está fazendo feito. Logo mais, teremos um arquivo com toda a “lore”, a história e detalhes de Karvox, bem como as informações para você adaptar essa região no seu mundo do D&D 5e!

Clique no link abaixo para ter acesso ao ritual e bote os fitonecróticos para bom uso!

Download

Posted in 5e

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *